fbpx
AtiVet Redondo Contorno Azul 150x150

Classificação e importância dos nutrientes alimentares

As seis classes de nutrientes são água, proteína, gordura, carboidratos, vitaminas e minerais. Somente proteínas, gorduras e carboidratos fornecem energia; vitaminas, minerais e água não.

Água

A água é o nutriente mais importante, pois sua falta pode levar à morte em questão de dias. Água limpa e fresca deve estar disponível o tempo todo. Várias fontes de água incentivam o consumo. Isso é particularmente importante em gatos, que geralmente não bebem muita água.

A quantidade de água necessária depende de vários fatores, incluindo a dieta, o ambiente, o nível de atividade e o estado de saúde do animal. Alimentos enlatados para animais têm seu teor de umidade variando de 60% a 87%, enquanto alimentos secos contêm 3% a 11%, então temos que animais que consomem predominantemente comida enlatada geralmente bebem menos água do que aqueles que consomem dietas predominantemente secas.

Em um ambiente termoneutro, a maioria das espécies de mamíferos precisa de aproximadamente 44 – 66 ml/ kg de peso corporal de água/ dia. 

Quando são fornecidas grandes quantidades de água, os animais saudáveis ​​podem efetivamente auto-regular sua ingestão.

Proteína

A principal função da proteína na dieta é como fonte de aminoácidos essenciais e nitrogênio para a síntese de aminoácidos não essenciais. Os aminoácidos fornecem nitrogênio para a síntese de todos os outros compostos nitrogenados e energia quando catabolizados. 

Dez aminoácidos são essenciais na dieta de cães: arginina , histidina, isoleucina, leucina, lisina, metionina, fenilalanina, treonina, triptofano e valina, mas outros aminoácidos não essenciais podem se tornar condicionalmente essenciais quando um animal tem um distúrbio subjacente que interfere na síntese do aminoácido ou resulta em seu consumo ou perda excessiva.

Os requisitos de proteína de cães e gatos variam com a idade, nível de atividade, temperamento, estágio da vida, estado de saúde e qualidade da proteína da dieta. 

A maioria dos alimentos para cães comerciais contém uma combinação de proteínas vegetais e animais, com digestibilidades proteicas de 75% a 90%. A digestibilidade é menor para ingredientes de proteínas vegetais, proteínas de baixo valor biológico e para dietas de baixa qualidade. 

Os gatos têm um requerimento de proteína mais alto do que a maioria das espécies, e têm um requisito dietético para um aminoácido adicional, a taurina. A menos que aminoácidos essenciais sintéticos sejam adicionados, alguma proteína animal é necessária na dieta para evitar a depleção de taurina e o desenvolvimento de degeneração da retina central felina ou cardiomiopatia dilatada.

Deficiência de proteína ou uma proporção inadequada de proteína em relação às calorias pode levar a:

  • taxas de crescimento reduzidas em filhotes,
  • anemia,
  • perda de peso,
  • atrofia muscular esquelética,
  • anorexia,
  • problemas reprodutivos,
  • baixa imunidade,
  • proteção prejudicada via vacinação,
  • rápida perda de peso após lesão ou durante a doença,
  • falha em responder adequadamente ao tratamento de lesões ou doenças. 

Gorduras

As gorduras alimentares são uma excelente fonte de energia e facilitam a absorção, o armazenamento e o transporte das vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K). Eles também são uma fonte de ácidos graxos essenciais (AGE), que mantêm a integridade funcional das membranas celulares e são precursores de prostaglandinas e leucotrienos.

Seus requisitos na dieta variam com a idade e a espécie, mas fatores como atividade física, estresse, crescimento e lactação podem exiger níveis mais altos que a manutenção. 

Carboidratos e fibra bruta

Os carboidratos em alimentos para animais de estimação incluem açúcares de baixo e alto peso molecular, amidos e vários polissacarídeos ou fibras de amido. 

Embora não exista um requisito dietético mínimo para carboidratos simples ou amidos para cães e gatos, certos tecidos, como o cérebro e os glóbulos vermelhos, requerem glicose para obter energia. Se houver quantidades insuficientes de carboidratos na dieta, o corpo sintetizará a glicose a partir de aminoácidos glicogênicos e glicerol. Gatos normalmente usam aminoácidos glicogênicos e glicerol para sintetizar glicose, que é uma das razões pelas quais os gatos são classificados como verdadeiros carnívoros, mas os cães geralmente sintetizam glicose a partir de carboidratos da dieta. 

Os carboidratos podem se tornar condicionalmente essenciais quando as necessidades de energia são altas, como durante o crescimento, a gestação e a lactação. 

A fibra é resistente às secreções digestivas de mamíferos, mas não é um viajante inerte através do trato gastro-intestinal e, embora não exista nenhum requisito dietético em cães e gatos, há benefícios para a saúde por ter certas fontes de fibra na dieta. Níveis corretos de fibra nas dietas aumentam a produção fecal, normalizam o tempo de trânsito, alteram a microbiota intestinal e os padrões de fermentação, alteram a absorção de glicose e a atuação da insulina.

Vitaminas

A maioria dos alimentos comerciais para cães e gatos é enriquecida com vitaminas a níveis que excedem os requisitos mínimos. 

Cães e gatos são capazes de sintetizar vitamina C no fígado em níveis suficientes para evitar sinais de deficiência, mas a suplementação pode fornecer benefícios adicionais à saúde, porque a vitamina C funciona como um limpador de radicais livres e um antioxidante no organismo.

A vitamina K  pode ser sintetizada por bactérias intestinais em cães e gatos, mas qualquer condição que altere a microbiota intestinal, como antibioticoterapia, pode resultar em deficiência de vitamina K.

Minerais

Os minerais podem ser classificados em três categorias principais:

  • macrominerais, como por exemplo o sódio, potássio, cálcio, fósforo e magnésio,  necessários em quantidades de grama/ dia;
  • minerais de importância conhecida, como por exemplo o ferro, zinco, cobre, iodo, flúor, selênio e cromo, necessários em quantidades de mg ou mcg/ dia;
  • minerais importantes em animais de laboratório, mas que têm um papel pouco claro na nutrição de animais de companhia, como por exemplo o cobalto, molibdênio, cádmio, arsênico, silício, vanádio, níquel, chumbo,  e estanho.

A deficiência mineral é rara em dietas bem equilibradas. 

Referência:

SANDERSON, Sherry Lynn. Nutritional requirements and related diseases of small animals. Merck Veterinary Manual: Setembro de 2013. Disponível em: <https://www.merckvetmanual.com/management-and-nutrition/nutrition-small-animals/nutritional-requirements-and-related-diseases-of-small-animals> Acesso em: 25 de maio de 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.