fbpx
AtiVet Redondo Contorno Azul 150x150

Cuidados De Rotina Para Gatos

Os cuidados de saúde de rotina referem-se aos cuidados gerais e não emergenciais necessários para manter o seu gato saudável ao longo da vida. Isso inclui cuidados veterinários de rotina para vacinações, controle de parasitas e atendimento odontológico, assim como nutrição apropriada, asseio e proteção contra perigos domésticos.

Importância do Cuidado Veterinário

Os gatos adultos devem ser submetidos a um exame veterinário completo pelo menos uma vez por ano. Os gatinhos precisam de visitas ao Médico Veterinário, geralmente a cada 3 a 4 semanas, até os 4 meses de idade. Gatos geriátricos, com mais de 8 a 9 anos de idade, devem consultar o Médico Veterinário duas vezes por ano ou mais frequentemente porque doenças são mais comuns em animais de estimação mais velhos e devem ser identificadas mais cedo para fornecer o tratamento adequado. Seu Médico Veterinário pode recomendar um programa de bem-estar para seu animal de estimação, como exames de sangue de rotina para monitorar doenças renais ou hepáticas precoces.

Sinais de doença

Como você está mais familiarizado com o seu gato do que qualquer outra pessoa, deve observá-lo cuidadosamente em busca de sinais sutis de doença que outra pessoa ou mesmo um Médico Veterinário possam não perceber. Os sinais gerais de doença incluem falta de apetite ou diminuição da atividade. Outros sinais mais específicos incluem vômitos e diarreia, urinar com mais ou menos frequência, tosse e espirros ou secreção nos olhos, ouvidos ou nariz. A doença também pode aparecer como perda de pelo ou áreas com coceira na pele ou ao redor das orelhas. Problemas com o sistema musculoesquelético podem ser vistos, como rigidez ou claudicação (caminhar mancando). Se o seu gato mostrar algum desses sinais por mais de um ou dois dias, uma visita ao Médico Veterinário é uma boa ideia.

Dando Medicação

Administrar comprimidos a um gato pode ser um desafio. Alguns gatos tomam uma pílula escondida em uma pequena guloseima, como um pedaço de atum ou frango. No entanto, muitos gatos comem a guloseima e cospem o medicamento. Nesses casos, você precisará aprender a administrar uma pílula inclinando a cabeça do seu gato para que ele olhe para cima, abrindo a boca e colocando a pílula diretamente na parte de trás do boca para engolir. Seu Médico Veterinário pode fornecer uma demonstração e orientações adicionais. Às vezes, medicamentos líquidos são prescritos, principalmente para gatinhos. Os líquidos podem ser administrados por meio de uma seringa na parte posterior da boca do gato, inserindo a ponta da seringa próxima aos dentes posteriores de cada lado. Segurar a cabeça do gato apontando parcialmente para cima pode ajudar a prevenir derramamentos. Os produtos spot-on ou outros medicamentos tópicos são administrados diretamente na pelagem ou na pele. Se o seu gato precisar de colírio ou medicação para os ouvidos, o Médico Veterinário fará uma demonstração. Independentemente do tipo de medicamento ou como deve ser administrado, é importante ler e seguir todas as instruções do rótulo.

Vacinas

A vacinação é um componente chave da Medicina Preventiva em gatos, assim como em cães e pessoas. As vacinas são administradas para estimular o sistema imunológico contra infecções antes da exposição à doença. Várias vacinas são administradas rotineiramente aos gatos como defesa central contra doenças infecciosas graves, como por exemplo panleucopenia felina. Várias outras vacinas podem ser importantes em certas regiões e situações. Seu Médico Veterinário pode aconselhar quais vacinas são recomendadas em sua área local e as circunstâncias.

Tradicionalmente, as vacinações de reforço são administradas todos os anos durante a vida do gato para garantir proteção contínua. No entanto, a necessidade de revacinação anual tem sido questionada nos últimos anos. Alguns dados indicam que, após o primeiro ano de vida, a imunidade dura o suficiente para que as vacinações de reforço sejam necessárias apenas em intervalos de alguns anos. Além disso, algumas pesquisas sugerem que a inflamação local, mesmo aquela associada a certos tipos de vacinas, pode levar ao fibrossarcoma em gatos, que é o câncer de partes moles mais comum dessa espécie. Vacinas que usam o vírus da leucemia felina morta e vacinas anti-rábicas são mais comumente associadas a esta forma de câncer. O debate sobre a melhor abordagem para a vacinação está em andamento. Seu Médico Veterinário pode aconselhá-lo sobre o melhor programa de vacinação para seu gato.

Controle de Parasitas

Vários parasitas internos e externos podem infectar gatos. Parasitas intestinais comuns em gatos incluem lombrigas, ancilostomídeos e tênias. As infecções por vermes costumam ser transmitidas através dos ovos nas fezes ou diretamente da mãe para os filhotes através da placenta ou do leite. Às vezes, um hospedeiro secundário está envolvido com a infecção. Por exemplo, as infecções por tênias são transmitidas pela ingestão de larvas em pulgas ou em presas infectadas, como por exemplo ratos.

Os vermes intestinais causam danos ao trato digestivo e perda de sangue. Eles também interferem na absorção de nutrientes essenciais. A infecção é diagnosticada encontrando ovos de vermes, ou até mesmo vermes reais ou segmentos de vermes, em amostras fecais. As amostras fecais devem ser testadas várias vezes em gatinhos, periodicamente (geralmente anualmente) em todos os gatos que vivem em casa e pelo menos duas vezes por ano em gatos que vivem ao ar livre, que são especialmente propensos a serem infectados por parasitas.

Vermes intestinais de gatos geralmente não causam infecção intestinal em pessoas, mas infecções por ancilóstomos podem se desenvolver em pessoas com sistema imunológico enfraquecido. As larvas de lombrigas também têm o potencial de infectar pessoas através da ingestão, quando logo após podem penetrar em órgãos sensíveis, como o olho ou em um feto em desenvolvimento. Os tutores de gatos devem limpar todas as caixas sanitárias com frequência (leva pelo menos uma semana para que os ovos do parasita intestinal se tornem infecciosos) e lavar bem as mãos após qualquer exposição à cama, fezes, vômito e outros fluidos corporais do gato.

Os gatos também podem ser infectados com protozoários, como coccídios ou Toxoplasma. Esses são parasitas microscópicos que vivem dentro das células do trato digestivo. A maior preocupação para os donos de gatos é a toxoplasmose, que é transmitida diretamente através dos ovos ou indiretamente através de cistos infecciosos na carne crua, geralmente de presas. A toxoplasmose geralmente causa apenas distúrbios digestivos leves em gatos, mas pode causar doenças mais sérias se transmitida às pessoas. Pessoas particularmente em risco incluem mulheres grávidas, crianças pequenas e aqueles que têm um sistema imunológico enfraquecido, como pessoas com AIDS ou aqueles que recebem quimioterapia para câncer. Os organismos ingeridos podem migrar por todo o corpo, causando danos a órgãos importantes (incluindo o cérebro) ou ao feto em desenvolvimento. Pessoas em risco podem prevenir a infecção não manipulando fezes de gato e não comendo carne mal passada. A limpeza da caixa do gato deve ser feita por outra pessoa.

Outros parasitas internos dos gatos incluem vermes. Gatos que caçam ao ar livre são propensos a essas infecções, especialmente se viverem ou caçarem perto da água. Animais aquáticos, como caracóis e sapos, são hospedeiros comuns para o desenvolvimento de larvas de vermes pulmonares. Essas infecções são diagnosticadas por meio de testes de amostras fecais.

Os gatos também podem ser infectados com vermes transmitidos por mosquitos. A dirofilariose é comum na maior parte dos Estados Unidos. É mais comumente diagnosticado com um exame de sangue e pode ser evitado com a administração de medicação mensal. Não existe um tratamento eficaz para a dirofilariose em gatos, por isso a prevenção é crítica.

Parasitas externos de gatos incluem pulgas, carrapatos, ácaros da sarna e ácaros da orelha. Tratamentos preventivos mensais estão disponíveis para controlar pulgas e carrapatos e são administrados como sprays corporais ou preparações “spot on” que são colocadas na pele entre as omoplatas. Os ácaros da sarna podem ser detectados raspando a pele das áreas infectadas em busca de sinais de ácaros ou de seus ovos. Os sinais de sarna incluem áreas vermelhas, escamosas ou sem pelo, ou ambos. As pessoas também podem ficar infestadas com os ácaros da sarna sarcóptica.

Cuidado dental

Os gatos precisam de atendimento odontológico ao longo de suas vidas. Você pode ajudar a manter os dentes e gengivas do seu gato em boas condições alimentando-os com comida seca e seguindo um programa de limpeza dentária profissional realizado pelo seu Médico Veterinário. Um bom atendimento odontológico reduz o desenvolvimento de placa bacteriana que, se não tratada, pode progredir para gengivite e doença gengival. Em casos graves de doenças dentárias, a extração é comum.

Asseio

Os gatos frequentemente se limpam. As raças de pelo curto geralmente requerem pouca escovação ou banho por seus proprietários. A escovação rotineira de gatos de pelo longo ou de gatos que param de se escovar por causa de doenças é importante para remover os pelos e evitar esteiras. A escovação também limita a quantidade de pelo que os gatos ingerem, o que ajuda a diminuir o desenvolvimento de bolas de pelo. Muitos gatos gostam de ser escovados, e a escovação pode ser usada como uma recompensa e um momento de união. 

As orelhas do seu gato devem ser verificadas rotineiramente quanto à limpeza. Se houver acúmulo de sujeira e cera nos ouvidos, eles podem abrigar organismos que podem causar infecções. Seu Médico Veterinário pode limpar as orelhas do seu gato com segurança. Se a limpeza for necessária regularmente, peça ao seu Médico Veterinário para demonstrar como isso deve ser feito.

Gatos saudáveis ​​raramente precisam de banho. No entanto, se o banho for necessário, apenas shampoos para animais de estimação aprovados para uso em gatos devem ser usados.

Riscos domésticos

Seu gato deve ser protegido de perigos domésticos, incluindo produtos químicos, pesticidas, material de limpeza, cabos elétricos, drogas, álcool e plantas domésticas comuns que podem ser venenosas. Gatinhos curiosos que tendem a mastigar quase tudo estão em maior risco, mas de toda forma esses produtos devem ser mantidos fora do alcance de todos os gatos. Os gatos são especialmente sensíveis a muitos medicamentos comumente encontrados em uma casa, incluindo aspirina , paracetamol , ibuprofeno e remédios para resfriado. Nunca dê ao seu gato qualquer medicamento humano, a menos que especificamente instruído por seu Médico Veterinário.

Gatos e gatinhos devem ser mantidos longe de janelas abertas ou varandas em apartamentos ou condomínios com vários andares acima do solo. Embora ágeis e muitas vezes consigam se endireitar no ar, os gatos ainda podem sofrer ferimentos graves se caírem de uma grande altura.

Castração

Todos os gatos devem ser esterilizados (fêmeas) ou castrados (machos), a menos que sejam usados ​​para reprodução. Isso evita gatinhos indesejados e evita problemas médicos futuros potencialmente graves, como câncer uterino ou infecção. A esterilização ou castração também diminui o desejo de sair de casa, o que pode resultar em acidentes de carro, brigas e outros ferimentos. Gatos machos castrados também são muito menos propensos a borrifar urina para marcar seu território. O procedimento de esterilização ou castração geralmente é feito quando os gatos têm cerca de 6 a 7 meses de idade.

Fonte:

BUKOWSKY, John A.; AIELLO, Susan. Routine Health Care of Cats. Website da MSD Manual: Veterinary Manual. Última atualização: Julho 2011. Disponível em: <https://www.msdvetmanual.com/cat-owners/routine-care-and-breeding-of-cats/routine-health-care-of-cats> Acesso em: 09 Março 2021.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.