fbpx
AtiVet Redondo Contorno Azul 150x150

Antiparasitário Advantage Max 3 Para Cães

Advantage Max 3 é um antiparasitário ectoparasiticida (mata pulgas, carrapatos e mosquitos) indicado para cães a partir de 7 meses de idade. Pode ser aplicado logo após o banho e a tosa com o pelo seco e ser usado em fêmeas gestantes e em amamentação. É um produto exclusivo para cães, portanto não deve ser utilizado em outros animais, incluindo gatos (Bayer, 2020).

Combate aos carrapatos

O produto elimina os carrapatos presentes nos cães por contato e protege a saúde do seu animal e da sua família, pois diminui o risco de transmissão de doenças. Elimina os carrapatos reinfestantes por contato sem que eles precisem picar o animal. Além disso repele e mata mosquitos transmissores de doenças (Bayer, 2020).

Estudos mostram que, ao entrarem em contato com o animal tratado com Advantage® Max3, os carrapatos já começam a sofrer os efeitos a partir de 10 minutos. O produto causa irritação nos carrapatos e grande parte deles não consegue se fixar, caindo no ambiente e morrendo rapidamente, antes de continuar seu ciclo. Os carrapatos que ainda permanecerem no animal morrerão em até 48 horas (Bayer, 2020).

Carrapatos podem transmitir babesiose e erliquiose para os cães (Bayer, 2020).

Babesiose canina

No final do século 19, o Dr. Victor Babes, um médico romeno, observou microorganismos nos eritrócitos de bovinos e ovinos com hemoglobinúria. Esses microrganismos foram posteriormente denominados Babesia bovis e Babesia ovis, respectivamente, com o nome de gênero Babesia em homenagem a seu descobridor. Pouco tempo depois dessas observações em ruminantes, surgiu a primeira descrição de Babesia spp. infectando cães na Itália. Atualmente essas doenças por protozoários ocorrem em todo o mundo (NCBI, 2016).

Os parasitas deste gênero são transmitidos principalmente por picadas de carrapatos e, como tal, podem infectar uma grande variedade de animais domésticos e selvagens, além de humanos. Não surpreendentemente, os cães são um dos maiores alvos da Babesia spp., com várias espécies de Babesia infectando caninos e causando babesiose canina (anteriormente chamada piroplasmose canina). O carrapato com o protozoário pica o animal e acaba transmitindo a Babesia da glândula salivar para seu novo hospedeiro vertebrado, após o qual o ciclo de vida do protozoário é completado dentro dos glóbulos vermelhos (NCBI, 2016).

Nenhuma das espécies de Babesia que afetam cães é considerada de importância zoonótica, ou seja, são transmitidas aos humanos. A babesiose humana é uma doença rara e envolve principalmente apenas duas espécies de Babesia : Babesia divergens , um parasita de gado na Europa, e Babesia microti, que parasita pequenos roedores nos Estados Unidos (NCBI, 2016).

Erliquiose canina

A erliquiose canina é causada pelo hemoparasito Ehrlichia canis e o seu principal vetor é o carrapato Rhipicephalus sanguineus. Um estudo recente mostrou que a transmissão de E. canis por carrapatos de R. sanguineus começa dentro de 3 horas após a fixação do carrapato no cão (NCBI, 2015).

Após um período de incubação de 1 a 3 semanas, três fases típicas da doença podem se desenvolver sequencialmente: aguda, subclínica e crônica (NCBI, 2015): 

  • A fase aguda pode durar 2 a 4 semanas e os sinais clínicos podem variar ou desaparecer espontaneamente, mesmo sem tratamento;
  • A fase subclínica segue o estágio agudo e cães neste estágio podem ter concentrações plaquetárias subnormais;
  • Na fase crônica os sinais clínicos são mais graves. Infelizmente, nem sempre é fácil distinguir as fases aguda e crônica na prática clínica, porque muitos dos sinais clínicos são semelhantes. Cães na fase crônica apresentam hipoplasia da medula óssea e pancitopenia grave (NCBI, 2015).

Um organismo intimamente relacionado a E. canis foi descrito em humanos na Venezuela, porém até o momento não é considerado um agente com importante potencial zoonótico (NCBI, 2015).

Combate às pulgas

O produto elimina as pulgas presentes nos cães por contato. Após a aplicação de Advantage® Max3 as pulgas adultas param de picar entre 3 e 5 minutos. Elimina 98,50% das pulgas adultas presentes no animal em até 6 horas e 100% antes de 24 horas, com eficácia superior a 99% durante mais de 30 dias (Bayer, 2020).

Infestações de pulgas podem fazer com que os cães contraiam o verme Dipylidium caninum e ou a DAPP (Bayer, 2020).

Dipylidium caninum

O verme Dipylidium caninum tem como espécies hospedeiras os cães e os gatos e tem um ciclo de vida indireto, que requer pulgas como hospedeiros intermediários. Cães e gatos infectados com Dipylidium caninum eliminam proglotídeos carregados de ovos nas fezes. Esses ovos são consumidos por larvas de pulgas e desenvolvem-se em uma estrutura compacta conhecida como cisticercóide. À medida que a pulga ou o piolho amadurecem para a fase adulta, o cisticercóide é mantido no hospedeiro artrópode. Cães e gatos são infectados quando ingerem a pulga infectada com o hospedeiro intermediário (CAPC, 2016).

É necessário um rigoroso controle de pulgas para prevenir a infecção por D. caninum em cães e gatos. Produtos de controle mensal podem se fazer necessários (CAPC, 2016).

Ocasionalmente são relatadas infecções de crianças com D. caninum após a ingestão de uma pulga infectada. A doença induzida na criança é geralmente leve, confinada ao trato intestinal e prontamente tratada, mas ainda pode ser angustiante para a família (CAPC, 2016).

DAPP – Dermatite Alérgica à Picada de Pulga

A DAPP – Dermatite Alérgica à Picada de Pulga é uma das principais causas de reações alérgicas em cães. Em uma reação alérgica, o sistema imunológico do corpo reage exageradamente ou é hipersensível a uma substância, chamada antígeno. Quando as pulgas se alimentam, elas injetam uma pequena quantidade de saliva na pele. São os antígenos ou proteínas da saliva que causam uma resposta intensa de coceira nos cães sensíveis. Uma única picada de pulga pode causar coceira por dias, por isso cães com DAPP não precisam estar infestados de pulgas para terem coceira (Hunter; Ward, 2020).

É importante observar que os cães com outras formas de alergia tendem a ser altamente sensíveis às picadas de pulgas e, portanto, são muito mais suscetíveis do que os cães que não apresentam alergia (Hunter; Ward, 2020).

Combate aos mosquitos

Mosquitos podem transmitir algumas doenças para cães, como por exemplo leishmaniose e dirofilariose. Advantage Max 3 repele e mata mosquitos transmissores destas doenças (Bayer, 2020).

Leishmaniose

A leishmaniose canina é uma grande zoonose global potencialmente fatal para humanos e cães, sendo que estes últimos compreendem o principal reservatório de infecção para humanos. É endêmica em mais de 70 países do mundo, estando presente em regiões do sul da Europa, África, Ásia, América do Sul e Central, constituindo um problema de saúde pública e veterinária (Solano-Gallego et al, 2011).

A Leishmania completa seu ciclo de vida em dois hospedeiros, um vetor flebotomíneo (mosquito), que transmite a forma promastigota infetada flagelada, e um mamífero, onde a forma amastigota intracelular se desenvolve e se replica. Os flebotomíneos são os únicos artrópodes adaptados à transmissão biológica de Leishmania sp. A proporção relativamente baixa de flebotomíneos que abrigam Leishmania sp (0,5 – 3%) é suficiente para manter a infecção restrita em áreas endêmicas (Solano-Gallego et al, 2011).

Dirofilariose

A dirofilariose é uma doença grave e potencialmente fatal em animais de estimação em algumas partes do mundo, incluindo o Brasil. É causada pela Dirofilaria immitis, o famoso vermes do coração. Vivem no coração, pulmões e vasos sanguíneos de animais afetados, causando doenças pulmonares graves, insuficiência cardíaca e danos a outros órgãos do corpo. Afetam cães, gatos e furões, mas também vivem em outras espécies de mamíferos, todavia raramente em humanos (AHS, 2020).

O cão é um hospedeiro natural para vermes do coração, o que significa que os vermes do coração que vivem dentro do cão fazem um ciclo reprodutivo completo totalmente no interior destes animais, não necessitando de um hospedeiro intermediário para tal. Se não tratados, seu número pode aumentar, e sabe-se que os cães abrigam várias centenas de vermes em seus corpos (AHS, 2020).

A prevenção de verme do coração em cães é de longe a melhor opção e o tratamento – quando necessário – deve ser administrado o mais cedo possível no curso da doença. Consulte seu Médico Veterinário a respeito (AHS, 2020).

O mosquito desempenha um papel essencial no ciclo de vida da dirofilariose. Os vermes femininos adultos que vivem em um cão produzem vermes microscópicos chamados microfilárias que circulam na corrente sanguínea. Quando um mosquito pica o animal infectado, ele pega esses vermes bebês, que se desenvolvem e amadurecem em larvas de “estágio infeccioso” por um período de 10 a 14 dias, e então, quando o mosquito infectado morde outro cão, as larvas infectantes são transmitidas para o novo hospedeiro. Uma vez maduros, os vermes do coração podem viver de 5 a 7 anos em cães e até 2 ou 3 anos em gatos (AHS, 2020).

Referências:

AHS – American Heartworm Society. Heartworm basics. Disponível em: <https://www.heartwormsociety.org/pet-owner-resources/heartworm-basics> Acesso em: 28 de abril de 2020.

Bayer Pet. Advantage Max 3. Disponível em: <https://www.bayerpet.com.br/produtos/advantage-max-3/home> Acesso em: 28 de abril de 2020.

CAPC – Companion Animal Parasite Council. Dipylidium caninum. Publicado em: 01 de novembro de 2016.Disponível em<https://capcvet.org/guidelines/dipylidium-caninum/> Acesso em: 28 de abril de 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.